sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Cuidar de si mesmo é mais importante do que parece

       Esse post faz parte da Blogagem Coletiva #52semanasdegratidão da Elaine Gaspareto.



Uma das coisas que sempre gostei, e até demais, foi de cuidar da casa, arrumar a casa, limpar a casa. E nessa neurose de querer tudo em seus devidos lugares foram poucas pessoas que se aventuraram em trabalhar comigo.

Quando solteira, era a pura vaidade, sempre no salto alto, maquiagem finamente retocada, roupas e sapatos finos e na moda essa era eu quando solteira.

Mas, ao casar e passar a ser dona de casa e mãe inverti as questões.

Já não ia ao cabeleireiro, aliás nesse corre corre de cuidar da casa e dos filhos mal penteava os cabelos.

Comparando ao que eu era podia-se dizer que me tornei uma mulher desleixada. E quem me visse não acreditaria na grande transformação pela qual passou a minha pessoa. 

O fato de casar-me e sair da casa dos meus pais para morar em SP deve ter mexido com a minha cabeça, talvez não estivesse preparada para essa mudança por maior que fosse o amor pelo meu marido. Existem coisas lá dentro da alma que desconhecemos.

Talvez tentando preencher algo que na época nem sabia o que era voltei todas as minhas energias para cuidar dia e noite da casa e esquecendo de mim mesma. Hoje eu sei que fugia porque não tinha condições psíquicas para encarar a minha realidade.

Não sei dizer se era feliz, aceitava de coração a minha nova realidade de dona de casa e mãe. E leva a vida conforme manda o figurino. Se isso é o que se pode chamar de felicidade, então eu era.

Meu marido e eu eramos jovens demais, quase duas crianças, sem muita experiência do que é a vida. Deixamos pra trás os alicerces da família para se aventurar num mundo totalmente novo e desconhecido. 

Era tão pouca a experiência de vida que de cara já me tornei mãe de trés filhos. Lembro naquela época, que religiosamente eu lavava todos os dias cinquenta fraldas, depois escaldava com água fervente, isso aprendi com a minha mãe e em seguida passava álcool nos varais que recebiam as fraldas mais limpas e brancas do mundo, depois corria pro fogão porque era hora das mamadeiras, em seguida a casa e em seguida passar as fraldas dos dois lados e nesse corre corre já era hora das mamadeiras novamente.

E assim os anos vão passando e a minha mania de limpeza aumentando porque muitas vezes me vi duas horas da manhã limpando a casa.

E foi exatamente em cima de uma escada limpando um lustre que senti pela primeira vez uma dor no peito. Eu tinha 25 anos.

Uma pontada que veio exatamente para me chamar pra realidade. 

Dizem os mais sábios que a dor é o remédio e só quem viveu e sofreu sabe que isso é verdade. Essa pontada no peito passou a ser a rotina e a realidade da minha vida e quando eu sentia parecia que o mundo deixava de existir pelo menos na minha cabeça. Se estivesse dentro de um ônibus era obrigada a descer ás pressas para correr pro hospital e se eu não tinha nada passei a ter os piores sintomas que os medicamentos produziam no meu organismo. Por duas vezes essas pontadas me levaram aos extremos e não posso deixar de descrever aqui porque elas fazem parte da minha gratidão.

Uma delas foi no centro de Santo Amaro quando voltava de uma consulta. Estava dentro de um ônibus quando veio novamente a dor no peito e imediatamente desci. Não tinha forças nas pernas, aliás ficava totalmente paralisada quando passou um casal e chorando pedi pra me levar pra o hospital.

A segunda vez, foi na padaria. Entrei pra comprar o pão e por mais que eu me esforçasse psiquicamente veio a pontada novamente e tive que pedir ao dono da padaria, que me conhecia e sabia que eu morava por ali mesmo, pedi pelo amor de Deus que me ajudasse a voltar pra casa. E o mais engraçado de tudo isso é que se alguém segurasse na minha mão eu conseguia andar.

Em casa, eu já não era a mesma, fui obrigada a contratar uma funcionária que de cara já riscou todo o meu fogão. Não sei se dopada com tantos diazepans ou se na altura dos acontecimentos entendia que a saúde é o que de mais importante temos nessa vida.

Eu com apenas 25 anos me via como uma pessoa imprestável, incapaz de cuidar dos filhos e da casa por causa de uma pontada no peito que me fazia viver em função dela, esperando a sua vinda e já me vendo inerte no chão. E era assim que passei a viver. Eu a minha pontada no peito e os efeitos colaterais dos calmantes. Como nenhum exame detectava anormalidade no meu organismo os médicos me passavam calmantes, que deixava meu corpo tremendo e sem controle.

Se você não acredita nas providências divinas ou se acredita simplesmente por acreditar digo que ela existe sim e quando menos esperamos ela começa a agir na nossa vida. O nosso tempo é um e o de Deus é outro. E todo sofrimento tem uma razão de ser. 

Eu estava sentada na sala quando de repente senti uma vontade muito grande de ir ao médico, algo assim incontrolável, mesmo correndo o risco de sentir a tal dor no peito eu precisava ir ao médico e na minha mente corria a ideia de que talvez eu não tenha explicado direito o que eu sentia.

E assim fui.

O médico que encontrei naquela sala a mais de 20 anos era um senhor de cabelos brancos, não sei se ainda está aqui entre nós. Mas esteja onde estiver peço a Jesus que leve essa mensagem até ele porque salvou a minha vida com a permissão de Deus.

Entrei e sentei e as palavras saiam da minha boca de uma forma que nem eu mesma sabia como. Pela primeira vez eu soube descrever o que sentia e o que estava na minha alma.

Depois de ouvir todo o meu desespero ele me disse somente essas palavras

- Minha filha, você não tem absolutamente nada, principalmente no coração. E para você ter essa certeza vou pedir todos os exames para lhe mostrar e se conscientizar que essa sua dor no peito nada tem a ver com o coração.

Simplesmente você sente uma dor muscular, uma carência de vitamina B e vou lhe passar um medicamento que fará com que nunca mais sinta esse incomodo.

O medicamento no caso era o Miocitalgam. 

Realmente. Tomei a medicação e nunca mais na minha vida senti pontadas no peito.

Fiz os exames e conforme ele falou, o meu coração era sadio.

Os diazepans não tomei mais a partir daquela confiança que aquele anjo de bondade transmitiu a minha alma.

A suposta enfermidade me fez voltar os olhos um pouco pra mim. Cuidar de mim para ter condições de cuidar da minha casa e dos meus filhos.

Aprendi que o nosso maior tesouro é a saúde. Sem saúde não vamos a lugar nenhum.

Descobri que na época estava com síndrome do pânico.

Não temos que questionar quando ouvimos alguém dizer que a dor é o remédio porque é a mais pura verdade.

Tudo que nos acontece é para o nosso próprio bem porque Deus não quer nenhum dos seus filhos sofrendo.

Aquelas pessoas que me socorreram nos meus momentos de agonia, com certeza Deus as ampara porque é dando que se recebe.

E aquele anjo vestido de medico que soube me trazer novamente pra vida, a minha eterna Gratidão.

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva #52semanasdegratidão da Elaine Gaspareto.

23 comentários:

  1. Sem dúvida tens que ser bem grata a esse anjo que tanto te ajudou e hoje podes gozar a vida com alegria e gratidão! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Chica! Muitas vezes a vida nos coloca num beco sem saida justamente para aprender coisas que achavamos insignificantes. Hoje eu sei que é necessário desenvolver a gratidão, pelo bem de nós mesmos.
      Grande abraço!

      Excluir
  2. Boa noite Maria!
    Fiquei aqui lendo a sua estória e pensando...como Deus coloca anjos no nosso caminho.
    Tive uma fase bem parecida com essa sua estória.Sofri muito sem saber o que eu tinha.
    De repente um anjo apareceu na minha vida em forma de médica e o nome dela...Lurdinha.
    Doutora Lourdinha,nunca me esqueci quando ela me disse...Você não tem nada.Parece que ela estava me tirando de um pesadelo.
    Fico muito feliz por você.Bjos e fica com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Adriana!Pode parecer algo banal, mas não é. Só quem viveu um drama idêntico é quem sabe como é triste e desesperador. Essas palavras ficaram gravadas no meu cérebro para sempre tanta força elas tinham. Fico feliz por você tambem. Temos muito pra agradecer.
      Grande beijo no seu coração

      Excluir
  3. Também já passei por períodos assim, tomei muitos remédios e depois descobri que o melhor remédio estava em mim, o meu olhar para minhas necessidades deveria ser mais fixo. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses momentos embora sejam muito dificeis tambem nos transformam, nos ajudam a enxergar o mundo de uma outra maneira.
      Aprendemos a valorizar o que realmente tem sentido. O ensinamento foi muito bom pra mim.
      Grande abraço!

      Excluir
  4. Adriana:
    Realmente saúde é nosso bem maior!
    Graças a Deus teu coração estava perfeito.
    Sôia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sonia!
      E nós só enxergamos a fundo a sua importância, quando nos conscientizamos que estamos perdendo. Daí compreendemos que tudo o mais é supérfluo. Assim aconteceu comigo.
      Grande abraço!

      Excluir
  5. Maria! Você tem todo razão! Cuide de si primeiro, para poder fazer tudo o que se propõe de cuidar da casa e da sua família!
    Que bom que ele conseguiu com paciência fazer você entender isso...
    Andréia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acabei de visitar o seu blog. Lindo demais. Obrigada pelas palavras lindas. Hoje só tenho mesmo que agradecer por tudo.
      Grande abraço!

      Excluir
  6. Seu post de gratidão tanto nos ensina!
    Estar atento aos sinais, aos nossos limites e também aos anjos que nos aparecem!
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade sim. Precisamos desenvolver isso em nós. Deus coloca anjos na nossa vida para nos socorrer. Nos manda recados atraves da boca de outras pessoas e isso é maravilhoso demais. Não caminhamos sozinhos, jamais. E loucos seremos se não tivermos essa sensibilidade e agradecer.
      Grande abraço!

      Excluir
  7. Maria de Lourdes,

    Ainda bem que Deus enviou esse anjo pra sua vida.
    Eu creio na providência dele.
    Isso tudo aconteceu pra lhe mostrar o quanto a sua saúde física e mental é importante.
    Sem ela, você não pode cuidar dos que tanto ama.
    O seu relato vai ajudar muita outras pessoas a entenderam suas próprias limitações.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lucinha! Essa é a finalidade. Mostrar o outro lado da moeda. Nada de choramingar ou reclamar da vida. Porque por tras de todo problema existe um ensinamento pra quem quer aprender.
      Obrigada querida! Que Deus a ilumine cada vez mais!

      Excluir
  8. Tudo nesta vida tem que ter equilíbrio e qdo vc esqueceu de si mesma, seu organismos, através da dor, deu o seu alerta.
    Que bom que vc é saudável e que este anjo em forma de médico deu o diagnóstico correto.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Neli! Obrigada pela visita e pelas palavras. O seu blog é um show de informações. Amei.
      Grande abraço!

      Excluir
  9. Que bom que tudo se resolveu!!! E que hone você está perfeitamente saudável!!!
    Uma boa semana!
    Abraços
    Carolina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carol! agradeço pela visita. Amei o seu blog. Que você possa fazer muitas e muitas viagens porque é maravilhoso demais.
      Grande abraço!

      Excluir
  10. "A dor é o remédio".
    Nunca tinha ouvido isso, mas parei pra pensar e vi que concordo.
    Maria de Lourdes, eu sinto, do fundo do coração, que seu relato vai me servir.
    Sem detalhar muito, mas talvez olhar e cuidar de mim seja o que eu mais precise agora. Talvez aí esteja a razão de tudo o que venho vivendo...
    Muito obrigada por partilhar!
    beijosssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Elaine! Primeiramente quero agradecer pela sua presença aqui pois eu sei o quanto é ocupada, principalmente em criar e manter o blog atualizado e sei que não é nada fácil. Ao longo das minhas postagens você verá, se puder, quantas situações tenho pra contar. Não a título de reclamar , mas porque na minha vida encontrei tantas pessoas que me ajudaram que nada mais justo é do que repassar as minhas experiências de vida. Como forma de gratidão. Ouvi dizer que Deus não nos dar um fardo maior que as nossas forças. Aprendi que quando o corpo doi é aviso de que algo não está bem e corremos pro médico. Para que possamos administrar as responsabilidades que nos cerca precisamos está bem. Faça isso, dê o primeiro passo em favor de você mesma e daqui estarei pedindo a Deus por todos nós.
      Muita paz!

      Excluir
  11. Maria de Lourdes. Deus em sua infinita bondade nos ensina pelo amor e pela dor e em ambas as formas Ele está presente. Queira Ele então que sua gratidão possa emanar a todos aqueles que lhe auxiliaram, e em especial ao médico que lhe socorreu com acertividade, muita luz e felicidade. Receba meu abraço e votos de que sua vida prossiga sempre cheia de alegrias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maria! Tambem acredito que em toda e qualquer situação Deus está presente na nossa vida e quase sempre somos nos mesmos que nos afastamos dos seus caminhos. Nesse mundo tão conturbado ainda existem almas boas e solidárias. Aliás, mesmo que a ferro e fogo será o amor que vencerá mesmo que seja a custa de muitas dores.
      Grande abraço querida e muita paz.

      Excluir
  12. Boa tarde, querida Adriana!
    Estou colocando as visitas em dia...
    A dor nos purifica tremendamente... tenho visto que é assim...
    Deus dá jeito para toda dor nossa... um dia ou outro, ficamos boas da alma e o corpo se torna 'resto'...
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir

Seja Bem vindo (a) ao meu blog!