quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

A Chave


A todos os momentos somos chamados à reflexão. Mas, teimosos, orgulhosos e intransigentes que somos buscamos o remédio para os nossos males nas igrejas para que orem nas nossas cabeças e assim possamos nos livrar de tantas desgraças que nos acomete de vez em quando.
E pra martelar ainda mais o coração somos atingidos nos nossos mais particulares sentimentos.
É como diz o ditado, a pedra vem rolando no meio do mundo e certeira cai justamente no nosso calo. E naquele calo mais dolorido e inflamado.
E se prestar atenção ela nunca vem sozinha.

É o filho  amado que adoece!
É a mãe protetora e amiga que de uma hora pra outra foi parar no hospital e nem sabemos se sairá de lá com vida, esse suporte seguro que nos empresta os seus ouvidos e coração para ouvir as nossas mazelas.
É o emprego que não aparece
São as contas que a cada dia cresce e por azar o cobrador resolveu não sair mais do nosso calcanhar.
É a noticia horrorosa que aconteceu bem ali embaixo do nosso nariz e por pouco não era com nós mesmos já que por questões de minutos passamos no mesmo local.
Enfim é um rosário sem fim de infortúnios que nos persegue de vez em quando e depois ainda indagamos se Deus existe.
Não sabemos calar a boca quando deveríamos.
Não sabemos vigiar os nossos pensamentos e colocar um cadeado nessa mania que temos de nos colocar como juizes de todas causas.
Sabemos resolver verbalmente os problemas de todo mundo, menos o nosso.
E nesse quebra cabeça só conseguimos enxergar que estamos atolados quando nos falta o ar para respirar, aí corremos em busca de ajuda.
Almas benevolentes se debulham em pai nossos e ave marias em nosso favor.
Nas igrejas buscamos os oradores de rezas mais fortes pra quebrar de vez essa zica braba que se apossou da nossa vida e está nos levando pro buraco.
A pele chega a ficar esbranquiçada de tantos banhos de sal grosso e ervas.

É bem verdade que resolvem por alguns dias, de repente parece que estamos novinhos em folha. 
Mas como somos eternos esquecidos lá vamos nós novamente, em busca de fatos que se não podemos ajudar, ajudamos descendo a lenha em situações que não é da nossa conta.
Mal podemos com a roupa do corpo, mas a lingua e cabeça para desejar o mal para os outros nisso somos verdadeiros peritos.
É super fácil zelar pelos nossos calos.
Basta a boa vontade de reler os mandamentos.
Mas mandamentos é coisa de religião e tem gente que não gosta.
Mandamentos é coisa do passado e nem sabemos se existiram mesmo, afinal tem gente por aí dizendo que quem criou o mundo não foi Deus. Com provas e tudo.
A curiosidade é mestra em mandar o sujeito ler essas bagatelas que não levará a lugar nenhum.
Servem mesmo pra dar um nó na cabeça e deixar os calos ainda mais expostos para as próximas pedras que já estão a caminho.
Julgamos até Deus com o nosso pobre raciocínio. Por acaso Deus está preocupado se acreditamos ou não na Sua Autoria de Criação do Mundo?
Ele está mesmo preocupado é com a nossa teimosia e cegueira de não querer enxergar um palmo a frente do nariz.
Ler e reler os mandamentos, alí está a chave para começar a resolver os nossos problemas pela raiz e Jesus sabendo que somos eternos preguiçosos resumiu dez em dois.
Quem sabe, lendo e relendo daqui a pouco entendemos e mais um pouco começamos a pratica-los e só dessa forma estaremos zelando e resguardando o que de mais caro possuímos:
Nossos calos.

Maria de Lourdes

2 comentários:

  1. Lindo e tão bem elaborado texto com uma mensagem reflexiva, bem verdadeira! Adorei ! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Chica! Obrigada pela visita e pelas considerações. No meu modo de pensar, as dificuldades estão aí com um simples objetivo. Nos chamar para a transformação interior porque precisamos aprender a respeitar o nosso semelhante seja lá quem for e deixar que Deus se encarregue do resto.
      Grande abraço!

      Excluir

Seja Bem vindo (a) ao meu blog!