A religião de Einstein

20:17:00 Maria de Lourdes 0 Comments

Em agosto de 1932, Albert Einstein escreveu, em Caputh, na Alemanha, um texto que chamou de “Meu Credo”, delineando suas ideologias políticas durante seus últimos anos em Berlim. 
O original foi escrito à mão em alemão e confiado a Konrad Wachsmann, o arquiteto da sua casa de verão. No final de setembro do mesmo ano, Einstein leu seu credo em voz alta e gravou para a Liga Alemã de Direitos Humanos. 
Há, aparentemente, apenas 10 dessas gravações originais, em vinil. Abaixo, você pode encontrar a tradução do credo de Einstein, cortesia dos Arquivos Albert Einstein, da Universidade Hebraica de Jerusalém, Israel.

É praticamente desnecessário dizer, mas Einstein era um homem fascinante. Apenas no mês passado, foi anunciado pelo Projeto Einstein Digital que os 80 mil documentos deixados por Einstein agora estão sendo digitalizados para que possam ser livremente consultados online pelo público. Um dos destaques é uma carta de Einstein a Marie Curie em 1911, na qual ele diz, muito simplesmente, para sua estimada colega ignorar os inimigos. Outro é o Credo de Eisntein. Veja:

Meu Credo

"É uma bênção especial pertencer entre aqueles que podem dedicar suas melhores energias para a contemplação e exploração de coisas objetivas e atemporais. Quão feliz e grato eu sou por ter recebido essa bênção, que dá um grande grau de independência em relação ao destino pessoal de alguém e a atitude de seus contemporâneos. No entanto, essa independência não deve nos habituar à consciência dos deveres que constantemente nos prendem ao passado, presente e futuro da humanidade em geral.

Nossa situação na terra parece estranha. Cada um de nós aparece aqui, involuntariamente e sem ser convidado, para uma estadia curta, sem saber o porquê e para quê. Em nossa vida diária sentimos apenas que o homem está aqui para o bem dos outros, para aqueles a quem amamos e por muitos outros seres cujo destino está ligado com o nosso. Muitas vezes me perturba a ideia de que a minha vida é baseada em grande parte no trabalho dos meus companheiros seres humanos, e estou ciente da minha grande dívida para com eles.

Eu não acredito no livre-arbítrio. Palavras de Schopenhauer: “O homem pode fazer o que quer, mas não pode querer o que quer”, me acompanham em todas as situações ao longo de minha vida e me reconciliam com as ações dos outros, mesmo que elas sejam bastante dolorosas para mim. Esta consciência da falta de livre arbítrio me impede de levar a mim mesmo e aos meus colegas muito a sério como indivíduos de ação e decisão, e de perder o meu temperamento.

Eu nunca cobicei riqueza e luxo e até mesmo os desprezo de certa forma. Minha paixão pela justiça social muitas vezes me levou a um conflito com as pessoas, assim como a minha aversão a qualquer obrigação e dependência que eu não considero absolutamente necessárias. Eu tenho um grande respeito pelo indivíduo e uma aversão insuperável pela violência e o fanatismo. Todos estes motivos me fizeram um pacifista apaixonado e antimilitarista. Sou contra qualquer chauvinismo, mesmo sob o disfarce de mero patriotismo.

Privilégios com base na posição e propriedade sempre me pareceram injustos e perniciosos, assim como qualquer culto exagerado à personalidade. Eu sou um adepto do ideal da democracia, embora eu saiba bem as fraquezas da forma democrática de governo. A igualdade social e a proteção econômica do indivíduo sempre me pareceram os objetivos comuns importantes do estado.

Embora eu seja um solitário típico na vida diária, a minha consciência de pertencer à comunidade invisível daqueles que lutam pela verdade, beleza e justiça me impede de me sentir isolado.

A experiência mais bela e mais profunda que um homem pode ter é o sentido do mistério. É o princípio fundamental da religião, bem como de todo esforço sério na arte e na ciência. Aquele que nunca teve essa experiência parece-me que, se não está morto, então, está pelo menos cego.

Perceber que por trás de tudo o que pode ser experimentado há uma coisa que a nossa mente não pode compreender, cuja beleza e magnificência nos alcança apenas indiretamente: isso é religiosidade. Neste sentido, sou religioso. Para mim, basta questionar estes segredos e tentar humildemente entender com a minha mente uma mera imagem da estrutura elevada de tudo que existe”.

0 comentários:

Seja Bem vindo (a) ao meu blog!

About